Contempty


Por Lucas Antonucci



Banda formada em 2012 na pequena cidade de Rio Pomba/MG, a Contempty têm uma proposta voltada para o Doom Metal, bastante melancólico. Gaping Deception In Guiltless Eyes é o primeiro lançamento, um Ep contando com 3 músicas que são mais que suficientes para mostrar a proposta sonora.
Contempty é a união das palavras Contempt (desprezo) + Empty (vazio).

Chama mais a atenção de cara a proposta sonora, enquanto 98% das bandas novas que ouvimos têm influência das bandas de sempre, nada errado com isso, mas na cena não vemos muitas bandas de Doom se destacarem, é quase sempre a mesma meia dúzia de propostas que se apresentam. Essa característica já traz por si só uma identidade diferenciada. O som é muito obscuro, arrastado, pesado, mesmo embora bem feito, não vai agradar qualquer fã de Metal. Letras pesadas e mórbidas acompanham o clima depressivo.
Bateria e vocal se destacam junto do excelente teclado, que produz arranjos variados e muito interessantes. Aliás, teclado e voz são os instrumentos que “puxam” mais as composições, contribuindo para a personalidade. As influências vêm da vertente mais Death/Doom, bandas como Anathema, Sanctorum, My Dying Bridge, Amorphis, Paradise Lost, etc.



A banda é formada por ex membros da Silence RiverDown, banda de Doom Metal também, que registrou um único Ep, com 3 excelentes músicas. Embora um projeto e outro possuam traços em comum, a Silencer River Down, possuía uma sonoridade mais próxima do Doom/Death do fim dos anos 80 e início dos anos 90, mais próximos dos primeiros álbuns tradicionais do estilo, Anathema e Paradise Lost. Somando influências, a Contempty têm uma atmosfera mais complexa, aliada ao clima bastante depressivo e pesado de antes, as influências estão lá da mesma forma, mas com mais coisas incorporadas, mais fundido, talvez influências de subdivisões do Doom Metal, como Dark Metal e Funeral Doom. Logo é uma sonoridade ainda mais diferente do Metal tradicional.



A gravação têm qualidade boa, achei apenas o som de bumbo meio apagado. Os timbres de guitarras e baixo são equalizados bem fechados, os timbres não embolam e se consegue ouvir cada instrumento. Destaco o timbre de teclado, em cada variação aparece muito bem. A banda já se mostra muito entrosada, as variações são fluentes, os instrumentos se alternam em seus papéis de forma coesa.A banda trabalha os climas, embora tétricos, a audição não se torna boçal em momento algum. Há arranjos e variações interessantes.



As faixas são “Gaping Deception In Guiltless Eyes” - muito arrastada, bateria bem lenta, com teclados criando o clima. Têm também um riff de guitarra muito bom puxando um momento mais rápido na música. “The Harpist” - mais dinâmica, alternando lentidão e partes mais empolgantes. Repare no domínio do clima que se quer passar, pois embora a bateria acelere, o clima se mantém denso, não fica menos sombrio. “Lifeless” - as coisas ficam lentas novamente, há alternância de climas arrastados e um destaque para o teclado, com arranjos excelentes.



Em todas as faixas, a voz não é somente um destaque por alternar vocalizações rasgadas com momentos mais limpos, mas pelas linhas vocais, que variam bastante, interpretando cada momento. Mesmo cada tipo de voz, limpo ou rasgado, alterna o sentimento, passando impressão de dor, tristeza, narrações, etc.

Caveira chorando? Pessoalmente achei a capa duvidosa. A parte fraca fica por conta impressão do álbum, embora o cd físico não seja mais tão essencial, e saibamos as dificuldades de ainda lançar nesse formato, a impressão ficou ruim, impossibilitando a leitura. Tive contato pela arte disponibilizada pelo facebook da banda, onde exceto a capa, a arte interna e contra capa do álbum são interessantes.



Certas bandas não nascem para ter o maior público possível, mas para expandir a música. Até quando o Metal pode ser introspectivo, melancólico? Essa é uma banda que testa esse limiar, bastante anti mainstream, profundo, mas muito musical, há sentimento em todo momento.



A banda detém já muitas resenhas deste Ep por vários países. Já sabemos que a banda tem várias músicas prontas e ficamos no guardo do lançamento de um CD completo.



Se trabalharem bastante, tem tudo para se tornarem uma banda Cult da cena, e referência do estilo.


Postagens mais visitadas deste blog

Dreizehn XIII

Unearthly – Baptizing the East in Blood

Entrevista: Metal Media